A Balada Literária nasceu em 2006. Foi durante uma edição da Festa Literária Internacional de Paraty que Marcelino Freire resolveu fazer a própria festa, tomando como inspiração e referência a Vila Madalena, em São Paulo, bairro em que ele reside há quase três décadas. Mobilizou livreiros, donos de bar, donos de sebo, escritores e escritoras e fez uma primeira edição modesta, sempre reunindo autores de todos os gêneros sexuais e literários, nacionais e internacionais. Virou essa a cara do evento: a cara da diversidade. A Balada já acontece também em Teresina (desde 2017) e em Salvador (desde 2015). Já passaram pela Balada, entre outros, Adélia Prado, Adriana Calcanhotto, Amara Moira, Ana Maria Gonçalves, Antônio Cândido, Áurea Martins, Binho, Caetano Veloso, Chico César, Conceição Evaristo, Emicida, Gog, João Ubaldo Ribeiro, José Luandino Vieira, Lygia Fagundes Telles, Mia Couto, Ondjaki, Phedra de Córdoba, Rogéria, Sérgio Vaz, Ney Matogrosso, Valter Hugo Mãe, Wagner Moura e Tom Zé. Veja abaixo a lista dos homenageados e homenageadas do evento nessas suas quinze edições.

  • 2006 – Glauco Mattoso
  • 2007 – Roberto Piva
  • 2008 – Tatiana Belinky
  • 2009 – João Silvério Trevisan
  • 2010 – Lygia Fagundes Telles
  • 2011 – Augusto de Campos
  • 2012 – Raduan Nassar
  • 2013 – Carolina Maria de Jesus e Plínio Marcos
  • 2014 – Laerte
  • 2015 – Suzana Amaral
  • 2016 – Caio Fernando Abreu
  • 2017 – Torquato Neto
  • 2018 – Alice Ruiz e Itamar Assumpção
  • 2019 – Paulo Freire
  • 2020 – Geni Guimarães (Balada Literária Virtual)
  • 2021 – Eliane Potiguara e Geni Guimarães (previstas)

Curadoria

MARCELINO FREIRE:
Marcelino Freire é escritor. Nasceu em 1967, em Sertânia, Pernambuco. Viveu no Recife e desde 1991 reside em São Paulo. É autor, entre outros, dos livros “Angu de Sangue” (Ateliê Editorial) e “Contos Negreiros” (Editora Record – Prêmio Jabuti 2006). Em 2004, idealizou e organizou a antologia de microcontos “Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século” (Ateliê). Alguns de seus contos foram adaptados para teatro. Participou de várias antologias no Brasil e no exterior. “Contos Negreiros” foi publicado em 2013 na Argentina, pela Editora Santiago Arcos e com tradução de Lucía Tennina, e no México, pela Librosampleados, com tradução de Armando Escobar. Criou a Balada Literária, evento que acontece em São Paulo desde 2006, com edições em Teresina (desde 2017) e Salvador (desde 2015). No final de 2013, publicou seu primeiro romance, intitulado “Nossos Ossos” (Record – Vencedor do Prêmio Machado de Assis), publicado também na Argentina, pela editora Adriana Hidalgo, na França pela editora Anacaona, e em Portugal pela editora Nova Dheli. Em 2018, lançou pela José Olympio o livro “Bagageiro”, que reúne o que ele chama de “ensaios de ficção”. Coordena oficinas de criação literária desde o ano de 2003, já tendo revelados nomes como os de Aline Bei, Carol Rodrigues e Sheyla Samanioto. O escritor mantém o blog Ossos do Ofídio: marcelinofreire.wordpress.com

NELSON MACA (BALADA SALVADOR)
Escritor paranaense nascido no ano de 1965 mas radicado em Salvador desde 1989. É professor, poeta e agitador cultural. Criou o “Coletivo Blackitude: Vozes Negras da Bahia”, que reúne poetas, artistas e ativistas do hip hop, tendo com uma das principais realizações o Sarau Bem Black. Em 2015, lançou seu primeiro livro de poesias, “Gramática da Ira”. Presença constante na Balada Literária, tornou-se curador e parceiro do evento desde 2015. Pela Balada Literária em Salvador já passaram os moçambicanos Aldino Muianga e Ungulani Ba Ka Khosa, o francomarroquino Abdellah Taia, além de convidados como Valter Hugo Mãe, Itamar Vieira Júnior, Alzira E, Fabiana Cozza, Chicco Assis, Lazzo Matumbi e Aloísio Menezes. A sexta dição do evento acontecerá simultaneamente à versão on-line de São Paulo, de 3 a 7 de setembro, e homenageará o cantor e compositor Juraci Tavares, contando mais uma vez com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

WELLINGTON SOARES (BALADA TERESINA)
Escritor e professor, natural de Teresina, já esteve à frente da organização da maior feira de livros do Piauí, o Salão do livro do Piauí, além de ter contribuído para a construção e organização de outras feiras literárias no estado. Um dos editores da revista Revestrés, escreveu, entre outros, “Linguagem dos Sentidos”, “Maçã Profanada” e “Cu é Lindo &
Outras Histórias”. É presença constante na Balada Literária nacional e, desde 2017, é dele a curadoria e organização da versão em Teresina, que já contou com presenças como Alice Ruiz, Valter Hugo Mãe, Rita Benneditto, Jards Macalé, Omar Salomão, Paulo Werneck, Gisele Mirabai, Douglas Diegues, Élio Ferreira, homenageado em 2019, e Graça Vilhena, homenageada loca l do ano de 2018. Em 2020, a balada piauiense acontecerá on-line nos dias 24 e 25 de agosto. A homenagem será ao cineasta Douglas Machado e contará mais uma vez com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Piauí.

Equipe

A história da Balada Literária não seria possível sem a equipe que se une, generosa e afetivamente, para fazer o evento acontecer. Eis os créditos a seguir:

CRIAÇÃO, CURADORIA E DIREÇÃO GERAL: Marcelino Freire

BALADA MÊS A MÊS
PRODUÇÃO: Jarbas Galhardo e Jorge Ialanji Filholini
DIREÇÃO REMOTA: Tiago Galan (TGM Produções)
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL: Tiago Salgueiro

EDIÇÕES ANUAIS
CURADORES CONVIDADOS: Wellington Soares (Teresina) e Nelson Maca (Salvador)
COCURADORIA MUSICAL: Barravento Artes – Glauber Amaral
PRODUÇÃO: Jarbas Galhardo e Jorge Ialanji Filholini

ASSISTÊNCIA DE PRODUÇÃO: Edu Xavier, Fernando Galvez, Jana Aguiar, Morgana Kretzmann e Vicente Cusin Dolgener
MÍDIAS SOCIAIS: Ian Uviedo
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL (SOM, FOTO E VÍDEO): Emerson Boy, Lucas Barbosa, Téo Ponciano e Tiago Salgueiro
DIREÇÃO REMOTA: Tiago Galan (Balada em São Paulo e Salvador)
CANAL YOUTUBE: Ithalo Furtado (Balada em Teresina)
ASSESSORIA DE IMPRENSA: Juliana Gola
PRODUÇÃO E REALIZAÇÃO: Agô Produções e Barravento Artes

SITE
PROGRAMAÇÃO E DESIGN: Bruno Brum e Mozart Brum (br1 Design)
TEXTOS: Jarbas Galhardo, Jorge Ialanji Filholini e Lucas Barbosa