Confira o que aconteceu na Balada Literária Mês a Mês de janeiro

Confira o que aconteceu na Balada Literária Mês a Mês de janeiro

A Balada Literária ganhaou novo formato, com conteúdos mensais on-line, que vão se somar à já consagrada edição do festival, que acontecerá em novembro.

A Balada Literária Mês a Mês de janeiro teve a inauguração da “Sala Paulo Freire”, tendo como convidada a educadora Ana Mae Barbosa, que falou sobre a pedagogia do educador pernambucano, cujo centenário será comemorado este ano. A “Balada Tem Memória”, apresentou um show com Cátia de França, realizado na edição 2020, além de depoimentos de baladeires que participaram de anos anteriores. O evento terminou com uma live unindo os poetas Nelson Maca e Sérgio Vaz.

Confira no vídeo abaixo, assim como as minutagens dos blocos:

Início: 15:29

Revestrés: 15:30

Oxalaive: 16:00

Bota fé, com Chico César: 16:55

Marcelino Freire e Wellington Soares falam sobre a Balada Literária Mês a Mês: 18:49

Depoimento de Mãe Dória de Oyá: 27:50

Sala Paulo Freire, com Ana Mae Barbosa: 30:40

Depoimento de Ed Marte: 1:14:28

Depoimento de Valderina Silveira: 1:16:22

Balada Tem Memória, show de Cátia de França (2020): 1:25:42

Trecho do show de Walter Franco (2011): 1:52:30

Depoimento de Day Rodrigues: 1:56:26

Live com os poetas Nelson Maca e Sérgio Vaz: 2:10:32

SOBRE A BALADA LITERÁRIA

A Balada Literária nasceu em 2006. Foi durante uma edição da Festa Literária Internacional de Paraty que Marcelino Freire resolveu fazer a própria festa, tomando como inspiração e referência a Vila Madalena, em São Paulo, bairro em que ele reside há quase três décadas. Mobilizou livreiros, donos de bar, donos de sebo, escritores e escritoras e fez uma primeira edição modesta, sempre reunindo autores de todos os gêneros sexuais e literários, nacionais e internacionais. Virou essa a cara do evento: a cara da diversidade. A Balada já acontece também em Teresina (desde 2017) e em Salvador (desde 2015). Já passaram pela Balada, entre outros, Adélia Prado, Adriana Calcanhotto, Amara Moira, Ana Maria Gonçalves, Antônio Cândido, Áurea Martins, Binho, Caetano Veloso, Chico César, Conceição Evaristo, Emicida, Gog, João Ubaldo Ribeiro, José Luandino Vieira, Lygia Fagundes Telles, Mia Couto, Ondjaki, Phedra de Córdoba, Rogéria, Sérgio Vaz, Ney Matogrosso, Valter Hugo Mãe, Wagner Moura e Tom Zé.

Deixe uma resposta